O seu processo de emagrecimento está estagnado? Descubra como a resistência a insulina está te prejudicando!

Você sabia que existe um hormônio que controla toda a entrada de energia em excesso para as suas células de gordura? Suas funções estão diretamente ligadas ao controle da energia disponível e como o seu organismo recebe e utiliza essa energia. Esse hormônio é a insulina e saber como controla-la é fundamental para aumentar a sua massa magra e diminuir a gordura em excesso. Parasse bom demais para ser verdade não é mesmo. É só ler este artigo que rapidinho você vai entender como fazer isso. =D

#O QUE É A INSULINA

insulina

A insulina é um hormônio de funções específicas que é produzido e secretado pelo pâncreas. Tem extrema importância no metabolismo das gorduras e carboidratos e esta é liberada na corrente sanguínea assim que o organismo percebe a ingestão alimentar (quando estamos comendo).

Conforme os alimentos vão sendo degradados (digeridos) pelo nosso sistema digestivo em moléculas mais simples, como proteínas, ácidos graxos (óleos e gorduras) e glicose (açúcar), esses nutrientes são encaminhados para a corrente sanguínea. É ai que a insulina começa a atuar, ela funciona como substância que leva as moléculas de glicose para os músculos, fígado e células adiposas (células de gordura), onde essa glicose pode ser consumida para gerar energia imediata ou ser armazenada para necessidades futuras, na forma de glicogênio. (O glicogênio é uma molécula com diversas glicoses unidades, o organismo estoca energia nessa forma, pois fica mais fácil a degradação dessa molécula quando houver necessidade de mais energia).

Os carboidratos são os alimentos que são mais rapidamente convertidos em glicose quando estamos precisando de energia. Durante o jejum (período entre as refeições), o fígado libera glicose que está estocada nas células de gordura para a corrente sanguínea, para que assim os níveis de glicose no sangue fiquem normais e controlados.

Para que as moléculas de glicose consiga penetrar as células do corpo é necessário que haja insulina circulante, pois nas células há um receptor da insulina que faz com que a insulina carregada com glicose chegue até os receptores de insulina e entre nas células com essa energia (glicose).

Então basicamente quando a nossa glicemia (taxa de glicose no sangue) aumenta após uma refeição, a quantidade de insulina também aumenta, para que o excesso de glicose possa ser rapidamente absorvido pelas células.

Diversos estudos também verificaram que a insulina tem uma função essencial no sistema nervoso central, que induz a saciedade, aumentar o gasto energético e regular a ação de algumas substâncias, com enfoque sobre o controle da leptina (hormônio importante na saciedade – caso queira entender melhor sobre a leptina, eu escrevi um artigo que fala tudo o que você precisa saber sobre ela). =D

Resumidamente, quanto mais comida (energia) você oferece para o seu organismo maior será a produção de insulina para retirar a energia do sangue e levar para as células, com isso tudo isso em mente, fica claro como a insulina tem extrema importância sobre o funcionamento e a manutenção de um organismo saudável.

resistencia-insulina

#RESISTÊNCIA A INSULINA

Quando nós oferecemos muito alimento ao nosso organismo, muita insulina é produzida para levar essa energia em excesso para serem utilizadas pelo nosso corpo ou serem estocadas nas células de gordura e é ai que se inicia um quadro denominado resistência a insulina.

A resistência a insulina é uma situação onde ocorre um desequilíbrio entre a quantidade de insulina que é produzida e a utilização desta, Onde pessoas que apresentam essa resistência produzem insulina mas esta não é utilizada da maneira correta. Quando cada vez mais é necessária uma maior quantidade de insulina para permitir que a glicose entre nas células, e essa situação faz com que o açúcar no sangue aumente e a energia nas células diminua. O pâncreas passa a produzir cada vez mais insulina devido a grande quantidade de açúcar no sangue, mas o corpo na reage como se espera. O problema maior começa ai, pois os níveis de açúcar no sangue começam a aumentar desenfreadamente sem que ninguém o controle e então o indivíduo começa a desenvolver uma série de doenças como pré-diabetes e o mais comum, diabetes do tipo 2.

Imagine que uma pessoa sem resistência a insulina produza uma molécula de insulina para carregar uma molécula de glicose do sangue para as células e, uma pessoa que apresenta resistência a insulina, necessitaria de 3 moléculas de insulina para carregar apenas uma molécula de glicose até as células. Isso não ocorre exatamente desta maneira, é apenas uma exemplificação fictícia para facilitar o seu entendimento, porém, é basicamente isso que ocorre no nosso organismo, o seu corpo começa a não perceber corretamente as funções da insulina e acaba produzindo uma quantidade excessiva para “transportar” as moléculas de glicose.

Não  tratar corretamente esse quadro de resistência a insulina, pode ocasionar algumas complicações mais graves, como o diabetes. O diabetes do tipo 2 se inicia com a resistência a insulina, na qual as células não respondem de forma eficiente os efeitos da insulina. No início, o organismo reage produzindo muita insulina. Nessa fase ainda é possível reverter o curso da doença através de uma alimentação balanceada (legumes e verduras, mais fibras e gorduras boas) e também a prática de atividade física regular. Fora os métodos naturais (mais aconselhados) há alguns medicamentos que auxiliam o organismo para que ele volte a perceber corretamente os sinais da insulina. Caso não consiga se reverter o quadro de resistência a insulina ao longo de algum tempo, a pessoa pode se tornar diabética e irá depender de complementar ou até mesmo suprir toda a necessidade de insulina através de aplicações de insulinas sintéticas para a sobrevivência, a pessoa se torna dependente a aplicação da insulina.

Apesar de haver alguns fatores desconhecidos que leva o indivíduo a apresentar à resistência a insulina, já se conclui tranquilamente alguns fatores de risco que levam a esse quadro, como antecedentes familiares (se seus pais ou irmãos apresentam diabetes), obesidade (especialmente aquele excesso de gordura no abdômen), sedentarismo.

Então vale se prevenir para que a resistência a insulina não ocorra. Um dos grandes problemas relacionados a essa resistência é que geralmente ela não apresenta sintomas muito específicos e muita vezes passa despercebida até que os seus níveis de açúcar seja percebido, levando algumas pessoas a problemas cardiovasculares antes mesmo que seja detectado os sintomas ou o diagnóstico do diabetes.

Claramente ainda não é possível mudar a herança genética, porem emagrecer, diminuir a gordura abdominal, fazer exercícios e melhorar os hábitos alimentares são práticas altamente eficazes para reduzir a resistência a insulina ou até mesmo prevenir que o quadro ocorra prevenindo também consequentemente o risco de outras doenças. É comum em pessoas com obesidade ou sedentarismo conseguir reverter a resistência a insulina apenas com a redução do peso e atividade física regular.

resistencia-insulina

#SUPLEMENTAÇÃO DE INSULINA

A insulina é um hormônio peptídico (apresente “proteínas” em sua estrutura) formado por 51 aminoácidos, ele é vital para os humanos e existe em todo os animas, no entanto a sua estrutura tem algumas variações de espécie para espécie. A Insulina de porcos por exemplo é que mais se parece com a dos humanos, pois difere de apenas um aminoácido. Com isso, a insulina de porco é muitas vezes usada para a reposição da insulina humana.

Naturalmente os níveis de insulina no sangue aumentam ou diminuem levemente em resposta a quantidade de glicose e outros nutrientes que entram na corrente sanguínea. Essas concentrações oscilam, para baixo e para cima, em um ritmo tranquilo que ajuda a manter a capacidade dos músculos e do fígado a responderem bem à insulina. Essa oscilação natural deve ser imitada, o máximo possível, ao se administrar insulina suplementar.

#TIPOS DE INSULINA E PARA QUE SERVEM:

resistencia-insulina

No comércio há basicamente quatro tipos diferentes de insulina, onde elas são classificadas de acordo com a velocidade de ação no organismo (início da atuação dela no organismo) e com o tempo em que permanecem atuando no corpo. A essas categorias são dadas: insulina de ação rápida, insulina de curta duração, insulina de ação intermediária e insulina de ação prolongada (maior duração no organismo). Existem também algumas insulinas injetáveis (chamadas de insulinas mistas) que são formuladas com uma mistura de dois tipos de insulina, por exemplo, 60% de insulina de ação intermediária e 40$ de ação rápida. A insulina injetável deve ser administrada todos os dias pelos pacientes, com uma dose altamente precisa, para que não haja um aumento ou diminuição brusca da taxa glicêmico do indivíduo (quantidade de açúcar/glicose no sangue).

Normalmente essas insulinas são administradas por via subcutânea (debaixo da pela) usando seringas com agulhas descartáveis ou através da caneta de insulina, um dispositivo mais prático criado para facilitar a vida dos diabéticos que usa apenas um cartucho descartável de insulina por vez para injetar a dose especifica de cada indivíduo. Existem outras opções menos usuais como o injetor de jatos de insulina, que adiciona o hormônio dentro da pele e, existe também a bomba de insulina, que os pacientes usam de forma contínua aonde essa bomba vai liberando insulina no corpo do paciente de acordo com a necessidade atual.

O mais esperado até agora dentre as soluções para a obtenção de insulina é o aperfeiçoamento de transplantes de células pancreáticas, que, se forem eficazes, ajudarão os paciente a recuperar a capacidade de produzir e perceber os sinais da insulina de forma natural, conforme o corpo for se adaptando.

Porém a administração de insulinas pode ocasionar alguns potenciais efeitos colaterais, onde o individuo apresenta um quadro clínico denominado choque insulínico ou hipoglicemia grave (baixo teor de glicose/açúcar no sangue), onde as concentrações caem a níveis muito baixos. Em alguns casos, é importante receber imediatamente reposição de açúcar (mel, frutas ou até comprimidos de glicose) para que essa insulina injetada tenha alguma glicose para transferir.

#ORIENTAÇÕES PARA DIMINUIR A RESISTÊNCIA A INSULINA

1 SUGESTÃO

Uma alimentação com baixa ingestão de carboidratos e rica em proteínas e gorduras boas pode auxiliar o seu organismo na percepção da insulina, pois os carboidratos são basicamente açúcares e com isso o nosso sistema digestivo consegue processa-lo muito rápido, fazendo com que o organismo aumente a produção de insulina.

Já as gorduras e proteínas apresentam uma degradação (digestão) mais lenta, fornecendo glicose ao nosso organismo através da corrente sanguínea de uma forma mais lenta e gradual, fazendo com que o nosso organismo volte a perceber a entrada de energia aos poucos e consequentemente a sensibilidade a insulina que está carregada de glicose.

2 SUGESTÃO

A prática de exercícios é recomendada para qualquer pessoa que não apresente complicações físicas ou cardíacas. Exercícios regulares pode ajudar a regular os níveis de insulina no seu organismo, pois praticar atividade física auxilia o seu corpo a manter os níveis de glicose sanguínea controlados, auxilia no transporte de oxigênio entre uma imensidão de benefícios. Para você ter noção, praticar exercícios regularmente pode até mesmo te ajudar a controlar em 100% o diabetes do tipo 2, que é ocasionado por mutação genética e na maioria das vezes por mal hábitos relacionados a má alimentação, que advêm da resistência a insulina.

3 SUGESTÃO

Como viu é importante manter uma alimentação com baixa ingestão de carboidratos, a questão é que muitas vezes não tem como fugir deles. Então essa terceira sugestão é que você procure ingerir os carboidratos conjunto com proteínas e gorduras boas, pois a digestão desses três macros nutriente junto vai fazer com que a degradação desse bolo alimentar seja mais demora e consequentemente demore mais para enviar glicose/açúcar à corrente sanguínea do que os carboidratos ingeridos individualmente.

resistencia-insulina

4 SUGESTÃO

Uma orientação muito boa não apenas para o controle da insulina, mas para toda a nossa produção hormonal é a ingestão de fibras de qualidade (encontradas na linhaça, chia, amaranto, vegetais e em boas concentrações em algumas frutas), pois  as fibras aumentam o nosso bolo alimentar ao entrarem em contato com o suco gástrico do estomago fazendo com que os carboidratos sejam “diluídos” no meio desse bolo, fazendo com que a sua degradação seja mais lenta, não ocasionando os picos glicêmicos (alta quantidade de glicose/açúcar na corrente sanguínea em um curto período). Isso sem contar a purificação que as fibras fazem no nosso intestino, pois elas se ligam as toxinas encontradas em alimentos industrializados ricos em corantes, conservantes e diversos outros minerais tóxicos ao nosso organismo. E você já deve saber que o nosso intestino é responsável por cerca de 80% do nosso potencial imunológico, aumentando a nossa disposição entre uma imensidão de outros benefícios. Lembre sempre de ingerir água na quantidade correta todos os dias, pois as fibras precisam de água para fluir de maneira natural pelo nosso trato gastrointestinal.

5 SUGESTÃO

Procure sempre manter uma vida tranquila, evitando se estressar com coisas que não valem a pena e que não vão te levar a lugar nenhum. O nosso sistema nervoso é responsável por desencadear uma série de reações que ocorrem no nosso organismo, e tudo o que nós sentimos desde alegria, medo, raiva, frustrações afeta o nosso sistema nervoso, então quanto mais tranquilo você encara as situações da vida, melhor será o seu humor, e consequentemente o seu sistema nervoso irá responder de maneira benéfica. Com isso, você cria um ciclo de tranquilidade sobre os fatos da sua vida que você encara qualquer obstáculo da melhor maneira possível e ainda ajuda o seu organismo a se manter saudável. Parece ser simples demais, mas isso fará uma diferença enorme em todo o seu organismo, desde o físico até o mental.  =D

Espero que este conteúdo te ajude de alguma maneira e que essas informações realmente façam a diferença sobre a sua saúde. Isso é apenas a ponta do iceberg que você precisa entender sobre o seu próprio corpo para manter uma vida saudável e feliz em todos os aspectos. Quando se melhora a sua saúde física, você tem energia para melhorar a sua saúde mental, e quando se está com a mente saudável e em paz você passa a acreditar e ver que é possível tudo aquilo que você jamais acreditou que fosse possível um dia, como por exemplo, manter o seu peso ideal para o resto da sua vida. =)

Caso você queira saber mais sobre tudo isso que eu te falei aqui, neste link tem um conteúdo muito mais completo sobre emagrecimento e manutenção de um corpo saudável e atraente. Clique aqui para saber mais!

Um grande abraço, Gustavo Silva.