Como Enganar o Hormônio da Fome?!

GRELINA, O HORMÔNIO DA FOME. APRENDA A UTILIZA-LO A SEU FAVOR.

grelina

Eu posso garantir que quando terminar de ler esse artigo, você irá entender exatamente como funciona o hormônio grelina (hormônio da fome) e como influenciá-lo ao seu favor. Entender como esse hormônio atua no seu organismo fará com que seu processo de emagrecimento fique mais fácil de ser seguido, afinal, se não temos fome, fica muito mais fácil resistir aquela tentação que sempre aparece em horas inoportunas não é verdade?!

RELAÇÃO DO SER HUMANO COM O GASTO ENERGÉTICO

O nosso organismo é uma máquina que se adapta as condições que nós impomos a ele, onde o nosso sistema biológico controla a ingestão de alimentos e como o nosso corpo processa esses alimentos.

Durante uma grande parte da existência humana, por milhares de anos, a fome representava uma das maiores ameaças a nossa sobrevivência, devido à escassez de alimentos vegetais e a dificuldade da caça.

Dentre grande parte da população dos nossos antepassados, sobreviveram apenas os capazes de estabelecer uma relação de equilíbrio entre o alimento ingerido e as necessidades de energia do corpo, onde seus cérebros conseguiam criar mecanismos eficazes para o emagrecimento.

Aqueles que conseguiam utilizar o alimento parar gerar reservas de gordura, parar serem utilizadas em épocas de escassez de comida.

Devido a essa relação de alimento e reserva energética, o organismo do ser humano se adaptou para detectar a diminuição das reservas de gordura (gordura localizada) e como resposta diminuir o gasto da energia utilizada em nossas funções vitais e a energia gasta em repouso, diminuindo consequentemente também o nosso metabolismo, colocando o nosso corpo em uma resistência a eliminação de gordura ao mesmo tempo em que são enviados sinais ao cérebro para que aumente a ingestão de alimentos (fome).

A triste realidade é que quando ocorre o contrário (aumento de peso), a reação do nosso organismo não é eficaz da mesma maneira, é praticamente insignificante se forem comparados.

O nosso organismo não tem um mecanismo tão potente para aumentar a energia gasta em nossas funções vitais, a fome não diminui significativamente e o nosso cérebro não manda sinais e estímulos para aumentar o gasto calórico através de atividades físicas, o que ocorre é basicamente o contrário, o nosso corpo tende a desacelerar o metabolismo e consequentemente nos tornarmos mais sedentários.

grelina

HORMÔNIOS NO CONTROLE ENERGÉTICO E NO APETITE

Como visto anteriormente, o nosso organismo foi treinado ao longo de milhares de anos a armazenar energia ao invés de acabar com os estoques em excesso, com isso, o nosso corpo tende a proteger as nossas reservas de energia (gordura) mesmo quando está em uma quantidade muito elevada, criando uma barreira gigantesca no gasto calórico, que é gerada por hormônios e substâncias comunicantes do cérebro, ao qual ele interpreta como uma ameaça a nossa sobrevivência.

A medida que foi ficando mais claro a grande importância dos hormônios na manutenção do peso, foi abrindo-se portas a novas áreas de pesquisa para tentar entender melhor quais eram os hormônios que estavam diretamente ligados com o gasto e o aumento das reservas de gordura e a ingestão de alimentos.

Com esse avanço na área da endocrinologia e metabologia (áreas da medicina que estudam as secreções do organismo, com foco nos hormônios) foi descoberto um hormônio que possuía relação direta com a produção de outros hormônios, controle energético e aumento do apetite (fome).

A esse hormônio foi dado o nome de Grelina, que tem origem da língua protoindo-europeia. O batismo da substância vem especificamente da palavra “ghre” que significa crescimento, pois esse hormônio tem uma função estimulante na secreção do hormônio do crescimento (GH).

A grelina está envolvida na regulação da fome, no balanço energético (controle da gordura) e no uso de carboidratos pelo organismo, onde suas funções estão atreladas a estimular o apetite (fome), o gasto de energia armazenada (gasto da gordura localizada), na redução da taxa metabólica e no controle do apetite, à medida que é feito a ingestão alimentar , ou seja, quanto maior o nível de grelina no seu organismo, mais fome você sente, além de você se sentir com o corpo mais cansado, pois ela tem relação com a diminuição da taxa metabólica, fazendo com que o seu o corpo trabalhe em uma velocidade mais lenta.

GRELINA E SEU FUNCIONAMENTO

A grelina foi descoberta em 1999 por um grupo de pesquisa japonês e, ela vem sendo descrita como o hormônio que estimula efeitos opostos aos produzidos pela leptina (hormônio que estimula a regulação de energia e diminui o apetite (fome) – caso queira entender melhor a leptina, temos um artigo de leitura simples explicando os seus efeitos e como usa-la a seu favor no emagrecimento) apesar de as duas apresentarem relação com o gasto calórico.

A grelina é produzida e secretado em sua maior parte no estomago e em parte no pâncreas e as suas células de produção são diferentes das células normais do estomago. A grelina é encontrada também em pequena proporção no hipotálamo (região importante do cérebro que interfere no controle energético e no apetite).

Encontrou-se também picos nos níveis de grelina antes de cada refeição onde esse nível vai se decaindo conforme a ingestão dos alimentos, chegando a níveis muito baixos após a refeição. Esse grande impulso de alimentação que é gerado pela grelina é em boa parte devido a uma relação com um outro hormônio, o  neuropeptídeo Y (NPY – hormônio que tem relação com a inibição (dificulta) do efeito de substâncias que estimulam a diminuição do apetite, como o da leptina por exemplo) onde o efeito no organismo do NPY é bem parecido com o da grelina, onde os dois atuam em regiões parecidas do cérebro e estimulam o mesmo efeito no organismo, que é basicamente, de diminuir o gasto calórico e estimular a fome, trabalhando então, de maneira conjunta no nosso corpo.

Apesar de os efeitos do hormônio grelina estarem bem definidos, ainda existem fatores atrelados a doenças e restrições alimentares que precisam ser aprofundados para um melhor entendimento, pelo fato da grelina estar elevada em vários estados de baixa ingestão alimentar (pouca comida), como anorexia nervosa, restrições calóricas e caquexia provocada por câncer.

Alguns estudos em pessoas do sexo feminino diagnosticadas com anorexia nervosa, demonstraram que a grelina está diretamente ligada com o índice de massa corporal, onde as pacientes com a doença apresentavam uma concentração elevada de grelina.

(COMPLEMENTO) Resistência à Grelina

A partir dos estudos citados nos dois últimos parágrafos, constatou-se que a diminuição de peso vai ocasionando a resistência a grelina, pelo fato de que muita grelina (níveis acima do normal) é produzida no seu estomago para estimular a fome, com isso o cérebro recebe muitos sinais e passa a não entender a atual necessidade de ingerir alimento e não responde da maneira correta.

Ou seja, quanto menos energia você tem, mais grelina é produzida em seu estomago para que você sinta fome, mas como a grelina está sendo produzida a níveis acima do normal, o se cérebro se confunde e acaba não enviando a resposta certa (que é para você comer), como mecanismo de regulação para que você não encha as suas células de gordura sendo que você não precisa. Esse processo vai se tornando um ciclo comum, onde cada vez mais a pessoa vai ficando mais magra, que não sente vontade de comer levando a doenças relacionadas a desnutrição que consequentemente leva a outras doenças mais graves.

FATORES QUE INFLUENCIAM A GRELINA

Como o desempenho do nosso sistema endócrino (sistema responsável por produzir e secretar os nossos hormônios) é moldado por uma série de fatores e não apenas uma verdade única que nos dará a chave do sucesso, nós precisamos saber quais são os fatores mais decisivos e que mais afetam a nossa produção hormonal, que são responsáveis por grande parte do funcionamento normal do nosso organismo.

Tendo isso em mente, é preciso saber levar uma vida equilibrada para conseguir manter os níveis de grelina em uma taxa normal, pois como você viu anteriormente, a grelina é um dos hormônios que desempenham papel sobre a balança energética e a influência sobre a vontade de comer.

Uma diversidade de estudos mostra que dietas restritivas para redução de peso e sono inadequado provocam um aumento significativo das concentrações de grelina e como o nosso organismo se molda as condições que nós impomos a ele (de maneira lenta e gradativa) com essa constância de níveis elevados de grelina, devido a um período de má alimentação, noites mal dormidas entre outros fatores, o seu corpo passa a enviar constantemente o sinal de “Quero comida” ao cérebro fazendo você sentir fome a todo momento.

Mesmo quando você termina as refeições, que seria quando o seu organismo deveria ter uma concentração praticamente nula de grelina na corrente sanguínea, você ainda sente vontade de comer, não se sente saciado.  Então com isso se torna claro porque na maioria das vezes é mais difícil manter o peso perdido, do que livrar-se de algum peso de maneira significativa, pois mesmo quando você se esforçou muito para atingir o seu peso, o seu corpo ainda não se está com os órgãos 100% funcionando da maneira correta, então você sempre está com fome, e o seu processo de emagrecimento entra no famoso enfeito sanfona que a mulheres tanto “adoram”, fazendo com que você emagreça e engorde constantemente.

5 SUGESTÕES SIMPLES PARA TE AJUDAR A CONTROLAR OS NÍVEIS DE GRELINA NO SEU ORGANISMO

Nesta parte do artigo quero te deixar algumas informações, todas com respaldo científico, de como diminuir a fome e porque esses feitios diminuem a fome. Lembrando que cada organismo funciona de maneira distinta (um organismo é diferente do outro), ou seja, o que pode funcionar muito bem para uma pessoa pode funcionar muito pouco ou até mesmo não funcionar para outra. Tudo o que é explicado aqui, não deve ser tomado como verdade absoluta, procure sempre a orientação de um profissional especializado e utilize o seu senso crítico ao modificar os seus hábitos, principalmente na alimentação, nada de excessos, busque sempre um meio termo. Espero que este conteúdo te ajude na construção de um corpo mais saudável.

1ª : Beber bastante água.

Como você viu no decorrer do texto, o nosso estomago é o maior responsável por produzir a grelina (hormônio da fome) e que conforme ele vai se preenchendo a concentração de grelina é diminuída na corrente sanguínea, levando à saciedade. Com isso você consegue reduzir consideravelmente a sua fome durante o seu dia, apenas com a ingestão de água, você mesmo pode perceber que muitas vezes nós confundimos fome com sede e, o melhor de tudo, é que água não tem calorias. rsrs =)

2ª : Coma com calma.

A grelina que você produz é que está indicando ao seu cérebro que você está com fome, e conforme você vai se alimentando a concentração desse hormônio vai diminuindo na corrente sanguínea e dando espaço para a leptina (hormônio da saciedade), e como o efeito da leptina demora um certo tempo para avisar o cérebro que nós estamos saciados, um maior tempo de refeição irá favorecer esse processo, isso sem levar em consideração que você poderá saborear com mais calma o seu alimento não é mesmo.

3ª : Pratique exercícios.

A atividade física é sem dúvida uma das melhores práticas para se manter um organismo saudável e com certeza acelera um processo de emagrecimento, ao fato que aumenta o gasto calórico. Diversos estudos relatam a influência da atividade física na regulação hormonal e na taxa metabólica, deixando o seu corpo trabalhando da maneira correta e maneira mais rápida, resultando assim na diminuição dos hormônios da fome e fazendo com que seu corpo aumente o gasto calórico, pois está com uma velocidade metabólica mais alta e mesmo em repouso irá haver gasto das reservas energéticas em excesso.

4ª : Durma bem.

Deixar o seu corpo descansado é um ótimo contribuinte para aumentar o calórico e diminuir a fome, emagrecer enquanto você está dormindo então, parece um sonho não é mesmo? A realidade é que isso é verdade, diversos estudos demonstram que há ligação direta entre o sono e a diminuição de peso. Isso porque o sono tem relação direta com o controle da grelina e da leptina que como você já sabe, estes são decisivos para se diminuir a fome e aumentar a saciedade.

5ª : Coma proteína e gorduras boas.

Opte por comer proteínas e gordura boas. A proteína ajuda na manutenção do apetite, pois gera energia de maneira rápida do que a gordura e é de digestão mais lenta do que os carboidratos, com isso você passará a comer menos.

Coma gorduras boas (amêndoas, azeites de oliva e abacates), como elas demoram mais para serem degradadas (“digeridas”) elas demoram mais para entrar na corrente sanguínea na forma de energia, fazendo com que você se sinta mais saciado por muito mais tempo. Um grande ponto positivo também, é que diversos estudos bioquímicos mostram que a degradação (“digestão”) da gordura gera duas vezes mais energia do que a degradação dos carboidratos, fazendo com que você tenha mais energia durante o seu dia.

Então com a ingestão de proteínas e gorduras boas, se tem a combinação perfeita para se manter saciado rapidamente e por muito mais tempo e se esta for feita na parte da manhã, os resultados serão ainda mais satisfatórios, pois estudos demonstram que comer esses alimentos no período da manhã apresenta maior saciedade do que em qualquer outra hora do dia.

Por fim, você viu que a grelina tem grande influência sobre o seu processo de emagrecimento não é mesmo? A triste realidade é que a grelina é apenas mais uma parte de um grande conteúdo que você precisa saber para emagrecer com saúde. Se você gostou desse conteúdo e caso queira saber mais sobre isso e outros hormônios que estão te impedindo de acelerar o metabolismo hoje, eu falo mais sobre isso em uma apresentação, lá contém informações que foram decisivas no meu emagrecimento e que realmente podem mudar o seu organismo e colocá-lo em modo acelerado muito mais rápido.

Caso queira saber mais, Clique aqui!

Espero ter te ajudado, um grande abraço =D